Dossiê com pareceres técnicos de oito entidades gaúchas por uma AIS

Diante da possibilidade de instalação da Mina Guaíba, o que promete ser a maior mina de exploração de carvão a céu aberto do Brasil, a rede MEDICINA EM ALERTA vem atuando incessantemente para evidenciar o que a exploração de carvão mineral pode provocar em cerca de 4,5 milhões de pessoas que vivem na região metropolitana de Porto Alegre. 

Segundo um dos pareceres técnicos das entidades e sociedades envolvidas, a instalação da mina “provavelmente acarretará aumento de demanda por serviços médicos ambulatoriais e de emergências, bem como aumento de doenças crônicas a longo prazo e aumento de mortalidade a curto prazo”.

Os laudos defendem a existência fundamental de uma Avaliação de Impacto à Saúde (AIS) da Mina Guaíba para esclarecer os impactos na saúde esperados em todos os estágios do desenvolvimento da mina de carvão. A avaliação ainda deve esclarecer a intensidade e o risco associado à exposição de diferentes grupos populacionais, incluindo trabalhadores e pessoas que vivem em Porto Alegre e na sua região metropolitana, como crianças, idosos, portadores de comorbidades cardiovasculares, pulmonares, entre outras.

Assinam os laudos:

  1. Associação Brasileira de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora (ABRASTT);
  2. Associação de Psiquiatria do Rio Grande do Sul (APRS);
  3. Associação Gaúcha de Medicina de Família e Comunidade (AGMFC); a Sociedade Brasileira de Bioética (SBB);
  4. Sociedade Brasileira de Genética Médica e Genômica (SBGM);
  5. Sociedade de Cardiologia do Estado do Rio Grande do Sul (SOCERGS);
  6. Sociedade de Neurologia e Neurocirurgia do Rio Grande do Sul (SNNRS);
  7. Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS);
  8. Sociedade Rio-Grandense de Bioética (SORBI), regional Rio Grande do Sul.

Clique no botão abaixo para abrir o dossiê completo com os laudos apresentados pelas oito sociedades (formato PDF):

A AMRIGS (Associação Médica do Rio Grande do Sul) também já se posicionou sobre os riscos que o projeto da Mina Guaíba pode oferecer à saúde. Leia o posicionamento publicado em 19/01/2021 no site da AMRIGS.

Mais informes

Nossa Casa, Nossa Saúde

Nossa Casa, Nossa Saúde

Presidente da FEPAM afirmou que “O carvão não polui na hora que é extraído“. Não poderia estar mais equivocada. Leia aqui nossa resposta publicada no Jornal do Comércio em 08/04/22.

Vitória da sociedade civil

Vitória da sociedade civil

O licenciamento da Mina Guaíba continua suspenso e perde força depois que o governo do RS declarou não apoiar o projeto, em 24/09/21.

Solicite uma AIS independente para o projeto da Mina Guaíba

Seis sociedades médicas e duas sociedades da saúde gaúchas emitiram pareceres técnicos solicitando uma Avaliação de Impacto à Saúde (AIS) independente e de acordo com critérios da OMS (Organização Mundial da Saúde) para o projeto de exploração de carvão mineral da Mina Guaíba-RS (consulte aqui o dossiê) . A AMRIGS (Associação Médica do Rio Grande do Sul) também já se posicionou (leia aqui) sobre os riscos que o projeto da Mina Guaíba pode oferecer à saúde. Junte-se a elas e assine o pedido pela AIS.

[[[["field11","equal_to","Sim"]],[["show_fields","field12"]],"and"]]
1 Step 1
Você é médica(o)?
reCaptcha v3
keyboard_arrow_leftPrevious
Nextkeyboard_arrow_right
FormCraft - WordPress form builder